conecte-se conosco

Brasil

Pesquisadores da UFMG desenvolvem vacina contra dependentes de cocaína no Brasil

Publicado

em

Uma vacina para tratar o vício em cocaína é mais do que bem-vinda no Brasil, especialmente pelo país ser o segundo maior consumidor mundial da droga, segundo dados da Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (FIfe), organização vinculada à ONU. Mais de 18 milhões de pessoas no mundo sofrem com o vício em cocaína. Tratamentos ainda são escassos e caros para pacientes e suas famílias, mas uma solução pode trazes bons resultados a este problema, e testes em humanos podem iniciar já em 2018.

Desde 2013, uma vacina contra cocaína vem sendo desenvolvida por pesquisadores do Departamento de Química, da Escola de Farmácia e da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Frederico Garcia, coordenador do Centro de Referência em Drogas da UFMG, explica que a cocaína, por ser uma molécula muito pequena, não é identificada pelo sistema imunológico humano, assim, a vacina contra cocaína “aumenta” as moléculas da droga para ela ser identificada e controlada pelo próprio corpo – após ser identificada, os glóbulos brancos produzem anticorpos para lidar com a droga.

“Toda vez que a cocaína entra na corrente sanguínea, estes anticorpos se ligam à cocaína e não se desligam”, disse Garcia ao G1. “E impedem que ela entre numa barreira protetora do cérebro”, impossibilitando que o usuário sinta os efeitos da droga.

Garcia avalia que a pesquisa traz um impacto importante para a saúde pública, já que um grande número de pessoas poderia se beneficiar do tratamento. Além disso, para ele, o estudo causa também um impacto social, pois “para cada dependente químico, existem, em média, outras três pessoas que também sofrem as consequências dessa dependência”, explica o coordenador.

Porém, Garcia alerta que a vacina contra a cocaína não deve ser considerada a única solução para o problema do vício, ela deve ser associada ao tratamento psicológico e a outras medidas.

Ademais, o estudo pode ser aplicado a outras substâncias que causam dependência, como a heroína ou a nicotina – mas não ao álcool, por ser uma substância quimicamente muito simples, diz Garcia.

Testes

Nos testes com roedores, pequenas quantidades da droga chegaram ao cérebro dos animais imunizados com a vacina. “A indução de anticorpos provocada pela vacina reteve uma quantidade maior da droga no sangue do roedor, não chegando ao cérebro do animal, que é o alvo biológico da cocaína”, explica Ângelo de Fátima, professor do Departamento de Química da UFMG. “Conseguimos diminuir os efeitos da droga no animal, alterando o perfil farmacocinético da substância.”

O tratamento foi testado em roedores e aguarda autorização do conselho de ética da universidade para que sejam iniciados os testes em macacos. Com os resultados desse segundo teste, os pesquisadores poderão solicitar autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) para estudar os resultados da vacina em humanos.

O estudo, que está em desenvolvimento pelo Núcleo de Pesquisa em Saúde e Vulnerabilidade desde 2013, acaba de registrar a patente da vacina no Instituto Nacional de Proteção Intelectual.

Se os resultados dos próximos testes forem satisfatórios, Garcia acredita que os testes em humanos podem começar já na metade de 2018. Isso disponibilizaria o tratamento para comercialização nos próximos três anos, aproximadamente.

Anúncio

Brasil

Roraima considera tardias as medidas de Temer contra crise migratória

Publicado

em

Foto: Marcos Brindicci / Reuters

As medidas anunciadas pelo presidente Michel Temer (MDB) em resposta à chegada maciça de imigrantes venezuelanos ao Brasil foram consideradas tardias e insuficientes em Roraima.

A prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (MDB), disse ser positivo que o governo tenha assumido sua responsabilidade na crise. Criticou, contudo, a demora e a efetividade das ações prometidas.

Após sua primeira visita a Roraima desde o início da crise, na segunda (12), Temer anunciou que decretará situação de emergência social no Estado. Ele prometeu publicar medida provisória nesta semana permitindo o repasse imediato de recursos e a atuação das Forças Armadas.

Deverá ser ampliado de 100 para 200 o efetivo militar na fronteira e montado um hospital de campanha para cirurgias e consultas.

“As medidas para tirar as pessoas da rua são as que mais me preocupam. Na interiorização [transporte para outros Estados] parece que serão mil pessoas em três meses. Só que entram 500 por dia. Tudo tem que ser feito muito rápido”, afirmou Surita.

Assim como o governo do Estado, a prefeita cobra uma triagem de quem passa pela fronteira. Entre os motivos para o controle alega-se a necessidade de evitar a transmissão de doenças como o sarampo, que acometeu uma criança venezuelana há dois dias.

“Acho politicamente incorreto dizer que precisa fechar a fronteira. Quem chega vem por sobrevivência. Mas, se não tiver uma organização de fato, para que as pessoas cheguem com alguma orientação, não temos como suportar.”

Em sua opinião, o governo federal demorou muito para agir. “A gente fez a primeira reunião em outubro de 2016”, lembrou. “O problema vai continuar, e espero que [as ações] não parem nisso. Tem de ter encaminhamento para outros lugares ou regras do tempo que ficam, saber quem chega, onde tem trabalho.”

Falando pela governadora Suely Campos (PP), o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Doriedson Ribeiro, defendeu uma triagem mais rígida da fronteira, “ver se não tem antecedente criminal ou se são foragidos lá”.

Ele pediu “a fiscalização dos carros para ver se não tem contrabando de armas ou drogas para a capital. Essas medidas vão acabar diminuindo o fluxo migratório”.

Camila Asano, coordenadora da Conectas, cobrou que o país, ao considerar a crise na Venezuela humanitária, proteja os migrantes para que não sejam mandados embora.

“O cunho humanitário não pode ser só de segurança, de controle de fronteira. Caso contrário, Temer vai contrariar o próprio discurso de que o Brasil não impediria a entrada de refugiados.”

Para ela, é fundamental que o governo federal se empenhe na melhoria das condições nos abrigos. “As famílias mais vulneráveis precisam de acolhimento inicial.”

Continue lendo
Anúncio
Anúncio

Brasil

Ciência

Mundo

Anúncio

Mais Lidas