Conecte-se conosco

Ciência

O que é o fenômeno que fez 3 Sóis brilharem no céu de China e Suécia?

Publicado

em

Foto: Shutterstock

Um mesmo fenômeno celeste surgiu nos céus da China e da Suécia pouco antes da virada de ano para 2018. Quem olhou para cima observou um evento raro acima da linha do horizonte: aparentemente havia três sóis à vista.

Este evento, que povos antigos tratavam como premonição e que está catalogado pela ciência desde o filósofo Aristóteles, não passa, contudo, de uma ilusão de ótica.

O nome popular do fenômeno, que é um tipo de halo solar, é parélio – o termo se refere aos “pares” do Sol que se formam. Em inglês, é conhecido como “sun dogs” – não se sabe a origem do termo, mas uma das hipóteses é ser uma referência ao fato de perseguirem o Sol como dois cachorros.

Como os “cães do Sol” se formam no céu?

Não há nada de místico nos três sóis que aparecem no céu. Trata-se de um fenômeno óptico que ocorre na atmosfera terrestre: quando a luz solar cruza a troposfera, a 10 mil metros de altura, a reflexão e a refração causada pela presença de pequenos cristais de gelo nas nuvens cirrus pode espalhá-la como um domo em torno do Sol.

Quando os cristais de gelo formam placas entre as nuvens cirrus eles acentuam sua capacidade de agir como prisma de luz. Assim, promovem a deflexão dos raios solares em pelo menos 22 graus (um tipo de “deformação” que muda a trajetória da luz) e a luz solar é refratada horizontalmente. O resultado disso são dois pontos de brilho, similares ao próprio Sol, um à sua esquerda e outro à sua direita.

O funcionamento óptico deste evento é similar ao do arco cincunzenital, nome oficial do “arco íris invertido”, fenômeno visto na cidade paulista de Arealva.

História dos parélios

O primeiro registro que se tem notícia deste evento é de ninguém mais, ninguém menos que Aristóteles. Habitante da Grécia Antiga entre 384 a.C. e 322 a.C., ele escreveu que “duas simulações de sóis surgiram com o Sol e o seguiram o dia todo, até o pôr do Sol”.

Há diversos relatos e influências na arte e na filosofia. O quadro Vädersolstavlan, de 1535, é considerado a primeira representação de Estocolmo, capital sueca, e retrata o parélio na tela. Nos livros, o dramaturgo inglês William Shakespeare cita uma ocorrência na peça Henrique VI e o filósofo René Descartes o descreve após vê-lo em Roma em 1629.

Fonte: VIX

Continue lendo
Comentários

Ciência

Mineral mais duro que diamante é descoberto por cientistas

Publicado

em

Foto: Reprodução/webmineral.ru

A substância não identificada foi achada por garimpeiros na Sibéria (Rússia) dois anos atrás. Desde estão foram realizados exaustivos testes para se descobrir do que se tratava.

A conclusão foi que os cientistas estão diante de um mineral não catalogado e formado no espaço. Os especialistas nomearam a descoberta de uakitite.

O mineral mais duro que diamante foi descoberto em um meteorito por cientistas russos, de acordo com reportagem do “Mirror”.

“Há um número de minerais e de substâncias que podem ser formados sob condições cósmicas e que não são encontrados na Terra”, explicou Boris Shustov, diretor do Instituto de Astronomia da Academia de Ciência da Rússia.

Estruturalmente, o novo mineral é relacionado ao carlsbergite (CrN) e ao osbornite (TiN). Por causa da pequena quantidade encontrada, as propriedades físicas do uakitite são difíceis de ser determinadas. A Universidade Federal de Ural continua estudando o mineral. Com informações do Page Not Found.

Continue lendo
Ad

Facebook

Brasil

Ad

Mundo

Mais Vistas