Conecte-se conosco

Mundo Surreal

Homem viveu 40 anos isolado na selva achando que a Guerra do Vietnã não tinha acabado

Publicado

em

Um vietnamita de 44 anos revelou como viveu em uma selva isolado do mundo por 40 anos acreditando que a Guerra do Vietnã não tinha acabado.

Ao lado do pai, que chegou a combater tropas americanas, Ho Van Lang fugiu do pequeno vilarejo em que vivia, em 1971, e se refugiou em uma região de selva bastante fechada na província de Quang Ngai, que era uma fortaleza dos viet congs (soldados vietnamitas do Norte comunista que combatiam as forças americanas, que apoiavam o Sul, capitalista).

Ho sobreviveu comendo roedores que costumava capturar na mata. Ele se tornou uma espécie de Tarzã da vida real: morava em árvores e usava roupas feitas com a vegetação. Além disso, Ho e o pai faziam utensílios de sobrevivência com restos de bombas. Eles também tinha uma pequena horta e plantavam tabaco.

Ho foi achado por um irmão em 1983, mas se recusou a deixar a selva e a acreditar que a guerra havia terminado.

Em 2013, Ho e o pai, de 85 anos, foram achados e retirados da selva por autoridades locais, sendo forçados a viver na “civilização”. Hoje eles moram em uma casa “normal”. A adaptação ainda é difícil.

A Guerra do Vietnã durou de novembro de 1955 a abril de 1975, terminando com a derrota dos EUA.

Curta nossa página no Facebook e receba todas as nossas últimas novidades!

Continue lendo
Comentários

Mundo Surreal

Homem leva foto da esposa morta todos os dias para ver o pôr do sol

Publicado

em

Foto: Reprodução/Facebook(Giorgio Moffa)

Todos os dias, Giuseppe Giordano, de 70 anos, acompanha o pôr do sol de Nápoles (Itália) com a esposa. Seria mais um ritual romântico a não ser por um detalhe. Ida está morta. O que acompanha o idoso no belo cenário é uma fotografia dela.

A história se perderia se não fosse por um observador. Giorgio Moffa, dono de uma pizzaria à beira-mar, testemunhou a cena e fez uma postagem no Facebook. O caso viralizou.

“Uns dias atrás, eu não conhecia essa pessoa esplêndida. Só sei que ele viveu um grande amor”, escreveu Giorgio.

Giuseppe vem diariamente à mesma praia onde ele e Ida passaram os primeiros anos do relacionamento.

O empresário decidiu investigar mais a fundo. Descobriu que Ida havia morrido sete anos atrás.

“Ele não consegue se ver sem ela e carrega o porta-retrato para todos os lugares. Ele o mantém perto, como se fosse a coisa mais preciosa”, explicou ele, em reportagem do “Metro”.

Giuseppe e Ida se conheceram em 1969. Ele tinha 16; ela, 17. Os pais de ambos foram contrários ao relacionamento, em grande parte pelo fato de Ida ter engravidado antes do casamento. Eles seguiram adiante, formaram uma família com dois filhos até que em 2011 o destino tratou de levar Ida.

“Quando o vi, sabia que ali havia uma grande história de amor. Homens como ele não existem mais”, declarou Giorgio. Com as informações do Page Not Found.

Continue lendo
Ad

Facebook

Brasil

Ad

Mundo

Mais Vistas