Conecte-se conosco

Saúde

Estudo revela que infecção pelo vírus da dengue não agrava quadro de zika

Publicado

em

Uma pessoa infectada pelo vírus Zika depois de já ter tido dengue não apresenta necessariamente um quadro mais severo da doença do que alguém que não teve contato com o vírus da dengue. A conclusão é de estudo publicado na revista Clinical Infectious Diseases, no mês passado. A pesquisa foi realizada com 65 pessoas que moravam em São José do Rio Preto, no norte do estado de São Paulo, e teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Esse é o primeiro trabalho a indicar que, em seres humanos, uma infecção prévia por dengue não leva necessariamente a um quadro mais grave de zika. Em estudos anteriores, realizados somente com células e com roedores, houve a indicação que o fato de uma infecção anterior por dengue potencializaria os efeitos do vírus Zika. Segundo a Fapesp, o estudo sugere que o que ocorre com células in vitro e roedores pode não acontecer com seres humanos.

Os dois vírus são transmitidos pelo mosquito Aedes aegyptiArquivo/Agência Brasil

“Nossos resultados indicam que esse agravamento não ocorre ou, se ocorrer, é muito raro e não pôde ser detectado em um estudo como esse”, disse o virologista e coordenador da pesquisa Maurício Lacerda Nogueira, segundo informações da Agência Fapesp.

Entre janeiro e julho do ano passado, a equipe de Nogueira coletou as amostras de sangue de pessoas com febre e sintomas de dengue ou zika atendidas em um pronto-socorro de São José do Rio Preto. A análise do material mostrou que 45 pacientes tinham infecção por zika e 20 por dengue, além de indicar que 78% daqueles com zika e 70% das pessoas com dengue já tinham sido infectadas pelo vírus da dengue em momento anterior.

Imunização parcial

De acordo com o estudo, quando surgiu a epidemia de zika, surgiram suspeitas de que a infecção prévia por dengue pudesse originar quadros mais graves, como ocorre na dengue hemorrágica. Segundo dados divulgados pela Fapesp, cerca de 90% dos casos de dengue hemorrágica atingem pessoas que já tiveram dengue antes e são infectadas por um subtipo diferente do vírus. O que ocorre é que os anticorpos produzidos pelo sistema imunológico contra um dos subtipos da dengue nem sempre consegue neutralizar o outro de maneira eficaz.

“Segundo uma hipótese chamada incremento dependente de anticorpos [ADE], a imunização incompleta parece facilitar a entrada do vírus nas células do sistema de defesa em que ele consegue se reproduzir, aumentando o número de suas cópias no organismo e a gravidade da infecção. Como os vírus da dengue e da febre zika são muito semelhantes [integram a família dos flavivírus], imaginava-se que a imunização parcial observada após a infecção por dengue também pudesse ocorrer quando alguém que já teve dengue contrai zika”, de acordo com a pesquisa.

A equipe de Nogueira, com a ajuda do imunologista Jorge Kalil Filho, da Universidade de São Paulo, comparou a quantidade de cópias do vírus Zika no sangue de pessoas infectadas anteriormente com dengue com a quantidade encontrada no sangue de quem jamais foi exposto ao vírus da dengue. Se a infecção anterior por dengue facilitasse a multiplicação do Zika, a quantidade de vírus deveria ser bem mais alta no corpo do primeiro grupo de pacientes, mas não foi o que ocorreu. A concentração, segundo os pesquisadores, foi semelhante nos dois grupos.

“Esses resultados não excluem totalmente a possibilidade de que a ADE [incremento dependente de anticorpos] ocorra, mas são uma evidência importante de que ter tido dengue não leva a uma infecção mais severa por Zika”, disse Kalil. “Na realidade, há relatos não publicados de que pessoas que já tiveram dengue apresentaram uma forma mais branda de infecção ao contrair zika.”

Segundo Kalil, os resultados podem ajudar a diminuir o receio de algumas pessoas em relação à vacina contra a dengue. “Houve o temor de que vacinar a população contra a dengue pudesse levar a casos mais severos de zika. Os resultados que obtivemos agora indicam que esse problema não deve existir.”

Continue lendo
Ad
Comentários

Saúde

Uso de imunoterapia contra câncer avança, apesar de custos e limitações

Publicado

em

Foto: Pixabay

Um dos caminhos mais promissores para o tratamento do câncer utiliza o próprio sistema imunológico dos pacientes para destruir os tumores. Após sete anos da liberação das primeiras drogas no mundo, a imunoterapia inspira otimismo e avança nas clínicas, apesar do custo alto e da eficácia restrita.

De acordo com os especialistas, os tratamentos que utilizam drogas imunoterápicas já são aplicados rotineiramente nos consultórios. Cinco delas foram aprovadas no Brasil para diversos tipos de câncer, como melanoma, linfoma de Hodgkin e tumores de pulmão, bexiga, cabeça e pescoço.

A maior parte dessas terapias envolve os chamados “bloqueadores de checkpoint”. Basicamente, eles obstruem um receptor das células do sistema imunológico que é utilizado pelos tumores para se tornarem invisíveis às defesas do organismo.

“Há muito tempo se imaginava que o sistema imunológico poderia atacar o câncer, especialmente alguns tipos de tumores mais ‘visíveis’ para ele, como o melanoma e o câncer de rim. Mas os medicamentos que existiam para isso tinham eficácia muito baixa. O que mudou radicalmente a maneira como enxergamos a imunoterapia para o câncer foi o lançamento das primeiras drogas bloqueadoras”, explica o médico William William, diretor de Oncologia Clínica da Beneficência Portuguesa (BP), em São Paulo.

Um das ressalvas é que o método ainda se mostra eficaz só para cerca de 20% dos pacientes. “No entanto, tem uma enorme vantagem: quando funciona, os benefícios são de longo prazo – ao contrário do que ocorre com a quimioterapia – e os efeitos colaterais são bem menores”, explica William.

Segundo o médico Vladmir Cordeiro de Lima, do departamento de Oncologia Clínica do Hospital AC Camargo, em São Paulo, o baixo número de potenciais beneficiados não impede que a técnica seja considerada uma revolução. “De fato, temos um novo paradigma. Um dos grandes atrativos é que essas drogas têm funcionado bem para doenças metastáticas e já começam a ser aplicadas em fases mais precoces do tratamento.” Quando há retorno, a sobrevida dos pacientes pode triplicar.

Estratégia

Além da eficácia limitada, outro problema com as drogas imunoterápicas, segundo os especialistas, é o preço. Uma única caixa de pembrolizumab, por exemplo, que é um dos medicamentos aprovados no Brasil para melanoma em estágio avançado, custa cerca de R$ 18,8 mil. Um tratamento de um ano pode chegar a R$ 582 mil. Os pacientes que conseguem a cobertura desses medicamentos pelos planos de saúde são exceções e, para o oncologista Artur Katz, do Hospital Sírio Libanês, o preço não cairá. “Essas drogas são extraordinariamente caras no mundo todo, e esse é um problema global.”

Os caminhos para superar o problema do preço dos imunoterápicos – assim como as limitações da eficácia -, segundo Lima e William, passam pelo aprimoramento das estratégias para identificar os pacientes que mais se beneficiam das drogas imunoterápicas. “A relação custo-benefício melhora”, afirma William.

O AC Camargo, por exemplo, já tratou cerca de 400 pacientes com as novas drogas nos últimos sete anos e está terminando a instalação de um Centro de Imunoterapia, com cerca de 70 médicos de várias especialidades. O oncologista norte-americano Kenneth Gollob foi trazido em setembro especialmente para liderar o novo grupo. Ele conta que o centro adquiriu duas máquinas que chegarão ao Brasil em agosto e permitirão “direcionar os pacientes que mais terão benefício”.

Segundo Gollob, há várias razões para que alguns pacientes respondam à imunoterapia melhor. “A eficácia depende muito dos marcadores genéticos presentes no tumor. Outro fator é o grau de mutação. Por isso precisamos refinar o tratamento.”

Aval recente

Outro caminho para aumentar a eficácia é a combinação com a quimioterapia. Um avanço foi a aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na segunda-feira, do uso combinado de imunoterapia e quimioterapia para tratamento de câncer de pulmão avançado. Em estudos clínicos, o uso combinado de inibidores de checkpoint e imunoterapia reduziu em 51% os risco de morte de pacientes e diminuiu em 48% a chance de progressão da doença.

De acordo com Roger Miyake, diretor médico da empresa farmacêutica Bristol-Myers Squibb (BMS), a combinação de tratamentos é uma tendência cada vez mais importante. “As drogas imunoterápicas que temos disponíveis podem ser combinadas com a quimioterapia, com a radioterapia e com a cirurgia, criando uma nova gama de abordagens.”

O oncologista Felipe Ades, do Hospital Israelita Albert Einstein, afirma que, além dos cinco medicamentos imunoterápicos já aprovados no Brasil, outros estão em vias de aprovação. “Há várias outras drogas a caminho, além de novos alvos moleculares para os medicamentos que já existem, o que aumentará sua abrangência.”

Continue lendo
Ad

Facebook

Brasil

Ad

Mundo

Mais Vistas