conecte-se conosco

Cinema e Séries

Disney fará filme de Kim Possible com atores reais

Publicado

em

Foto: Divulgação / Disney Channel

Uma das animações mais populares dos anos 2000 está prestes a chegar aos cinemas – e com atores de verdade! O perfil oficial da Disney Channel no Twitter acaba de anunciar a produção do filme em live-action de “Kim Possible”, ressuscitando uma das heroínas mais famosas da Disney.

Segundo o site TVLine, o longa terá roteiro escrito pela dupla Mark McCorkle e Robert Schooley, responsáveis pela criação do desenho original, além de Josh Cagan, de “The Duff”. A busca pelos atores que darão vida a Kim, Ron Stoppable e os demais personagens do desenho já começou – e a nossa ansiedade pelo estreia também: aqui estão quatro razões pelas quais já esperamos pelo filme:

Filme de Kim Possible: motivos para ver

Já se passaram mais de 10 anos desde que o último episódio de “Kim Possible” foi ao ar em 2007. Estava mais do que na hora de a Disney reviver a história da adolescente mais destemida dos desenhos e uma versão com atores reais é o jeito perfeito de recontar a história para a nova geração.

Música tema

“Chama, liga, que eu sou tua amiga. Quando precisar é só dizer”. Quem não lembra da música tema (e chiclete) de Kim Possible? Ela era uma das características mais marcantes da animação e tê-la de volta no filme seria simplesmente incrível.

Retorno do trio Kim, Ron e Rufus

Eles eram inseparáveis, aventureiros e super divertidos. Acompanhar as missões secretas de Kim Possible, Ron Stoppable e Rufus na luta contra os planos malignos de Dr. Drakken e Shego era viciante, porque, no final das contas, eles eram apenas adolescentes e se divertiam muito com isso.

Dramas reais da vida no ensino médio

Pode parecer estranho que um desenho sobre adolescentes que realizam missões para salvar o mundo retrate com realismo a vida na escola. Mas, sim, esse é o grande diferencial do desenho. Na história, as personagens não vivem clichês como infinitas desilusões amorosas ou uma disputa pelo papel principal no musical do colégio.

Elas lidam com colegas de classe preguiçosos que não ajudam nas tarefas, brigas entre melhores amigos, aprendem a lidar com as mudanças e desafios da puberdade e, principalmente, a aceitar seus defeitos e limitações. Questões essas que sempre estiveram presentes nos episódios de “Kim Possible”.

Anúncio

Cinema e Séries

“A Forma da Água”: por que filme favorito ao Oscar está sendo acusado de plágio?

Publicado

em

Foto: Fox Searchlight Pictures

Líder em indicações em Oscar 2018, incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor, “A Forma da Água” foi acusado de plágio na justiça. A denúncia foi apresentada por David Zindel, filho do escritor Paul Zindel, autor de uma peça chamada “Let Me Her You Whisper”, da década de 1960. Não só o cineasta Guillermo Del Toro, mas também a Fox e o produtor do filme, Daniel Kraus, são alvos da ação.

A peça de Zindel é ambientada na Guerra Fria e narra a história de uma mulher solitária que trabalha em um centro de pesquisas. Com o tempo, ela começa a criar um laço com um golfinho, que se comunica apenas com ela e a quem ela decide salvar dos maus tratos dos cientistas.

Esta é basicamente mesma trama de “A Forma da Água”, que conta a história de Elisa, uma mulher muda que se apaixona por uma criatura fantástica, mantida em um laboratório do governo americano.

Foto: Fox Searchlight Pictures

Para David Zindel, é um choque que “um estúdio deste porte faça um filme tão parecido com o trabalho de Paul sem consultar a família sobre direitos autorais”. Na acusação registrada, Zindel argumenta que o filme é claramente derivado de “Let Me Her You Whisper”.

Defesa

Em comunicado oficial, a Fox afirmou que entrará com uma moção para que a corte da Califórnia não prossiga com o caso. De acordo com a empresa, as acusações são infundadas. “A queixa parece ter sido feita para nos pressionar durante a votação do Oscar. A Fox defenderá vigorosamente este filme original e inovador”, afirma o comunicado.

Em entrevista ao Deadline, Guillermo Del Toro afirmou que nunca havia ouvido falar da peça e que nenhum de seus produtores a mencionou durante a criação da história. “Escrevo roteiros há 25 anos e nunca tive problemas em expor minhas referências e influências. Sempre fui aberto em relação a coisas que amo e a discutir como elas aparecem em meus filmes”, disse.

Continue lendo
Anúncio
Anúncio

Brasil

Ciência

Mundo

Anúncio

Mais Lidas