Conecte-se conosco

Saúde

Câncer de ovário é o sétimo mais incidente no norte do Brasil

Publicado

em

📷 Divulgação

Em 8 de maio é celebrado o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Ovário, um tumor menos incidente que os de colo de útero e mama, porém considerado o câncer ginecológico que mais ocasiona mortes no planeta, com mais de 70% dos diagnósticos concluídos em estágio avançado, quando a doença já atingiu outros órgãos.

Sem considerar os tumores de pele não melanoma, o câncer do ovário é o sétimo mais incidente no norte do Brasil. Dos 270 novos casos esperados até o final de 2018, 110 serão diagnosticados no Pará, com uma taxa bruta de 2,57 de incidência por 100 mil habitantes, segundo dados da Incidência de Câncer no Brasil, documento publicado pelo Instituto Nacional de Oncologia (Inca).

Leia também: Sespa inicia busca ativa por casos silenciosos de hepatites

A dona de casa Sandra Dias, 45 anos, residente no município de Castanhal, decidiu fazer a ultrassonografia transvaginal após oito meses sentindo dores no quadril e inchaço na barriga. A biópsia foi realizada no Hospital Ophir Loyola, em Belém, e segundo ela “o primeiro resultado deu sugestivo para câncer”. “Fiz outro ultrassom, mas atestou algo diferente. Então, o ginecologista solicitou uma ressonância magnética e os marcadores tumorais. Com o resultado, fui encaminhada para cá. Vou fazer a retirada do ovário esquerdo. Caso a biópsia confirme o câncer, e o médico julgar necessário, também serão retirados o ovário direito e a bexiga. Espero que tudo ocorra bem”, relatou Sandra Dias.

Os ovários são glândulas responsáveis pela produção dos hormônios sexuais femininos (progesterona e estrogênio) e pela produção e armazenamento dos óvulos que são liberados, um a cada mês, durante o ciclo reprodutor.

Tumor silencioso – O desenvolvimento dos tumores de ovário ocorre de forma silenciosa. A maioria dos tumores não apresenta sintomas até atingir a fase avançada. Os mais característicos são dor pélvica, alterações urinárias, aumento do volume abdominal, gases e irregularidades menstruais. Essas manifestações clínicas muitas vezes são confundidas com outras patologias, dificultando ainda mais o diagnóstico.

Cerca de 10 a 15% dos casos de tumores ovarianos apresentam componente genético ou familiar, com mutações de alto risco dos genes BRCA1 e BRCA2. Outros fatores de risco estão relacionados à menopausa tardia, endometriose, obesidade e nuliparidade (sem filhos biológicos). A incidência é mais comum nas mulheres acima de 40 anos, no período pós-menopausa. A gravidez e o uso de contraceptivos orais (supressão da ovulação) são considerados fatores de proteção.

Diagnóstico – Segundo o ginecologista Celso Fukuda, do Hospital Ophir Loyola, referência no tratamento de câncer no Pará, não existem exames de rastreamento para a detecção precoce do câncer de ovário. “Ainda não foi comprovado o benefício, ao se fazer com certa periodicidade, do exame de ultrassom e do CA-125, que avalia a quantidade deste marcador tumoral no sangue. Ou seja, não temos, hoje, nem um benefício com exames de rastreamento existentes, que possam prevenir ou encontrar este tumor na fase inicial, para que a paciente tenha mais chance de cura ou de controle da doença”, informou.

Apesar da impossibilidade de rastreamento, os ginecologistas solicitam o exame de ultrassom pélvica ou transvaginal para tentar detectar o tumor. Em casos mais avançados, a tomografia é usada para identificar se o tumor já se espalhou para outros órgãos. A cirurgia é realizada para apontar a fase em que a doença se encontra e o diagnóstico histopatológico direciona o melhor tratamento para o controle.

“Os marcadores tumorais são muito úteis no seguimento da paciente com câncer de ovário, porém pouco confiáveis para o diagnóstico inicial, com grande número de falsos positivos. Outro exame utilizado para o diagnóstico e estadiamento (determinar a fase), a ressonância magnética determina o tamanho e a localização de um tumor de ovário, bem como a presença de metástases, porém ambos os exames possuem dificuldade de acesso no SUS (Sistema Único de Saúde)”, esclareceu Celso Fukuda.

O especialista explicou ainda que a escolha do tratamento depende da idade e condições clínicas, tipo histológico do tumor e extensão da doença. “A principal modalidade terapêutica é a cirurgia, podendo ser utilizada a quimioterapia antes ou depois do procedimento cirúrgico. Caso a doença seja detectada precocemente, é removido somente o ovário afetado”, ressaltou.

Continue lendo
Ad
Comentários

Saúde

Pará notificados 12 casos de raiva humana incluindo seis mortes

Publicado

em

Foto: Lusa

Secretaria de Saúde do Pará informou ter notificado 12 casos de raiva humana no estado, incluindo seis mortes. Até o momento, pelo menos um caso foi confirmado. Segundo o órgão, um paciente morreu na tarde de ontem (15) no Hospital Regional de Breves. Quatro crianças seguem internadas na Santa Casa de Misericórdia em Belém e uma no Hospital Regional de Breves, que também atende um adulto com suspeita da doença. A maioria dos pacientes se mantêm em estado considerado grave.

Por meio de nota, a secretaria informou que continua o trabalho de investigação e prevenção da raiva humana no município de Melgaço, no Arquipélago do Marajó. Na última segunda-feira (14), 1 mil doses de vacina antirrábica e 300 frascos de soros antirrábico foram enviados à região. As ações se concentram na localidade de Rio Laguna, a cerca de 70 quilômetros de Melgaço, onde residem aproximadamente mil pessoas. Até o momento, foram vacinadas 500 pessoas.

Leia também: Câncer de ovário é o sétimo mais incidente no norte do Brasil

Ainda de acordo com o governo estadual, coletas sorológicas foram realizadas em todos os pacientes – inclusive os que morreram – e encaminhadas ao Instituto Pasteur, em São Paulo, laboratório referência no diagnóstico de raiva humana. Desde o último dia 4, equipes de vigilância epidemiológica e de vigilância em saúde estão no local para investigar as suspeitas, em parceria com a Agência de Defesa Agropecuária do Pará e o Ministério da Saúde.

Todos os casos notificados pela Secretaria de Saúde como suspeitos para raiva humana apresentam quadro semelhante, com sinais e sintomas como febre, dispneia, cefaleia, dor abdominal e sinais neurológicos como paralisia flácida ascendente, convulsão, disfagia (dificuldade de deglutir), desorientação, hidrofobia e hiperacusia (sensibilidade a sons, principalmente agudos).

Casos confirmados de raiva humana no Pará não ocorrem desde 2005, quando 15 casos foram registrados no município de Augusto Corrêa e três em Viseu (nordeste paraense) – todos por transmissão de morcego hematófago (que se alimenta de sangue).

Em 2004, Portel (município do Marajó) registrou 15 casos da doença – todos também por morcegos hematófagos, assim como os seis casos confirmados em Viseu, no mesmo ano.

Todos os casos confirmados nesses dois períodos, segundo a secretaria, evoluíram para óbito.

Continue lendo
Ad

Facebook

Brasil

Ad

Mundo

Mais Vistas