conecte-se conosco

Saúde

Alerta: Ao conjuntivite; saiba como prevenir e tratá-lo

Publicado

em

📷 Reprodução

Olhos vermelhos, lacrimejamento, coceira, sensação de corpo estranho, queimação, fotofobia e visão borrada são os sintomas da conjuntivite, inflamação da conjuntiva, membrana que recobre a esclera, do parte branca dos olhos e a face interna das pálpebras.

Segundo o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, a doença acontece o ano todo mas por essa época aglomerações água contaminada das piscinas e praias, excesso de filtro solar e compartilhamento de teclados em empresas facilitam o aumento de casos.

Ele explica que a conjuntivite pode ser viral, bacteriana, alérgica ou tóxica com sintomas bastante semelhantes, mas tratamentos diferentes O problema é que o 30% dos brasileiros costumam se automedica hábito que chega a 40% no verão conforme um levantamento feito pelo oftalmologista.

O oftalmologista afirma que para que para cada tipo de conjuntivite tem um tratamento diferente e usar a medicação errada pode mascarar a doença e provocar danos mais graves.

Por exemplo, o contato dos olhos com excesso ou falta de cloro nas piscinas e água contaminada do mar, além do excesso de protetor solar na região dos olhos pode causar três tipos de conjuntivite: viral , bacteriana, alérgica ou tóxica.

Tratamentos

Queiroz Neto ressalta que o problema é que os sintomas da conjuntivite alérgica, frequentemente causada pela penetração do filtro solar nos olhos, e da viral são idênticos – coceira, olhos irritados, fotofobia e visão borrada e secreção aquosa, diz Queiroz Neto.

Mas a alérgica pode ser tratada com colírio anti-histamínico e para conjuntivite viral é indicado o uso de colírio anti-inflamatório. Nos dois casos recomendada aplicação de compressas frias para aliviar os sintomas

Já a conjuntivite bacteriana provoca uma secreção amarelada. O especialista diz que o tratamento é feito com colírio antibiótico também por uma semana.

O oftalmologista ressalta que o uso prolongado de colírio anti-inflamatório é perigoso porque geralmente contém corticóide que aumenta o risco de surgir catarata e glaucoma, Por outro lado, adverte, o uso indiscriminado de antibióticos pode causar resistência da bactéria à medicação o que dificulta a cura.

Prevenção

O médico afirma que a conjuntivite viral e bacteriana são altamente contagiosas e podem ser contraídas até na alça dos carrinhos de supermercado, corrimãos de escadas de locais públicos e compartilhamento de teclados nas empresas. As principais dicas do médico para evitar o contágio são:

  • Lavar as mãos com frequência.
  • Não coçar os olhos.
  • Evitar aglomerações. sempre que possível
  • Não compartilhar colírio, toalhas, fronhas ou maquiagem.
  • Usar óculos de natação nas praias e piscinas.
  • Usar álcool gel nas mãos

Para prevenir a conjuntivite tóxica ou alérgica causada pela penetração de filtro solar, maquiagem e outros cosméticos nos olhos as dicas do oftalmologista são:

  •  Evite excesso de filtro solar, bronzeador ou maquiagem.
  •  Proteja a região dos olhos com óculos solar que tenha filtro UVA e UVB
  •  Lave os olhos em casos de penetração de substâncias químicas.
  •  Na exposição ao sol enxugue a transpiração ao redor dos olhos com toalhas descartáveis.
  • Lave com frequência o rosto e as mãos.
  •  Não compartilhe produtos de beleza, toalhas de rosto ou colírios.
  • Evite coçar ou levar as mãos aos olhos.
  • Use óculos de mergulho para nadar e óculos de proteção para trabalhar com produtos químicos.
  •  Não use colírios sem prescrição médica.
  • Interrompa o uso de produtos que causam desconforto nos olhos.
  •  Substitua as lentes de contato por óculos na piscina ou praia.
  • Evite usar receitas caseiras sem conhecimento de seu médico
Continue lendo
Anúncio
Comentários

Saúde

Pará registra redução de 91,05% nos casos de dengue

Publicado

em

📷 Divulgação

O Pará registrou uma redução de 91,05% nos casos de dengue, em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o Informe Epidemiológico de 2018 sobre os casos registrados de dengue, zika e febre chikungunya, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), nesta sexta-feira (20). Até o dia 31 de março foram contabilizados 318 casos de dengue, 769 de febre chikungunya e um caso de zika. No mesmo período de 2017 foram registrados 3.554 casos de dengue.

As maiores ocorrências de dengue estão nos municípios de Parauapebas (59), Mãe do Rio (32), Marapanim (22), Pau d’arco (19), Conceição do Araguaia (16). Os municípios com maior número de casos de chikungunya são Belém (310), Marituba (309), Ananindeua (54), Paragominas (27) e Benevides (20). O município com o caso confirmado de zika é Paragominas.

No período de abrangência do Informe Epidemiológico não houve registro de mortes no Estado em função dessas doenças. A Sespa continua pedindo às secretarias municipais de Saúde que informem, no período de 24 horas, a ocorrência de casos graves e mortes que podem ter sido causadas pelas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Para confirmar a causa da morte é necessária a investigação epidemiológica, com aplicação do Protocolo de Investigação de Óbito do Ministério da Saúde, que prevê exames específicos em laboratórios credenciados, como o Laboratório Central (Lacen) e o Instituto Evandro Chagas (IEC), preconizados pelo Programa Nacional de Controle da Dengue. O procedimento garante o correto encerramento de casos graves e óbitos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

Monitoramento – As ações de combate à dengue competem aos municípios, que devem cumprir metas. Entre os procedimentos essenciais estão vistorias domiciliares por agentes de controle de endemias. Paralelamente, a Sespa faz o monitoramento nos 144 municípios, que receberam o incentivo do Ministério da Saúde para vigilância, prevenção e controle da dengue, e orienta as prefeituras sobre o uso correto de inseticidas (larvicidas e adulticidas).

A Secretaria de Saúde Pública também promove visitas técnicas aos municípios para assessoramento das ações do programa de combate à dengue, além de apoiar a capacitação para o atendimento de casos de febre chikungunya e zika.

Quando há necessidade, a Sespa faz o controle vetorial, como bloqueio de transmissão viral nas localidades, e articula ações com órgãos municipais de saneamento e limpeza urbana, tendo em vista a melhoria da coleta e destinação adequada de resíduos sólidos. Também são realizadas ações educativas e de mobilização, para incentivar a participação da população no controle da dengue.

Sintomas – Os vírus da dengue, chikungunya e zika são transmitidos pelo mesmo vetor, o Aedes aegypti, e provocam sintomas parecidos, como febre e dores musculares. Mas as doenças têm gravidades diferentes. A dengue é a mais perigosa, devido aos quatro sorotipos diferentes do vírus, causando febre repentina, dores musculares, falta de ar e indisposição. A forma mais grave da doença é caracterizada por hemorragias e pode levar à morte.

A chikungunya caracteriza-se principalmente pelas intensas dores nas articulações. Os sintomas duram entre 10 e 15 dias, mas as dores podem permanecer por meses, e até anos. Complicações sérias e morte são muito raras. Já a zika apresenta sintomas que se manifestam, no máximo, por sete dias.

A população também deve continuar combatendo possíveis criadouros do mosquito. Se houver dificuldade, as pessoas devem acionar os programas municipais de controle da dengue mantidos pelas prefeituras. As equipes de profissionais capacitados visitam as casas para inspecionar possíveis criadouros do mosquito, com o objetivo de eliminar os focos e orientar os moradores sobre prevenção e controle do Aedes aegypti.

Continue lendo
Anúncio

Brasil

Anúncio

Mundo

Ciência

Mais Vistas